Pesquisa rápida:

20/03: MEDICAMENTOS LIVRES DE PRESCRIÇÃO PODEM MASCARAR E AGRAVAR DOENÇAS

“Ao persistirem os sintomas, um médico deverá ser consultado”. Já ouviu essa frase após o comercial de algum medicamento na TV? Ela alerta para um comportamento perigoso que é a automedicação com remédios livres de prescrição. Apostar em qualquer uma dessas drogas indicadas para diminuir dores, febres ou sintomas da gripe sem procurar um médico pode acabar mascarando uma doença e agravando o quadro do paciente.

“O principal risco está na pessoa fazer uso de medicamentos inadequados que, não correspondendo ao mal que deve ser combatido, podem mascarar um quadro clínico, agravando sua situação. Isso é muito comum em casos de apendicite, em que o indivíduo sente uma forte dor abdominal, podendo ser confundida com outros males. Nesse caso, o uso de um medicamento para dor amenizará os sintomas, podendo retardar o diagnóstico e evoluir para um quadro ainda mais delicado, como a apendicite supurada”, explica o endocrinologista do Hospital Belo Horizonte Dr. Celso Melo.

É preciso sempre lembrar que existem contraindicações muitas vezes não observadas antes de usar esses remédios. Além disso, alguns não podem ser usados em casos como a dengue. O uso indiscriminado também oferece riscos pois, apesar de não haver comprovação científica,  muitos pacientes relatam a diminuição do efeito do remédio com o uso excessivo. “Isso faz com que aumentem a dosagem sempre que forem tomar e esse é um comportamento muito arriscado. O Tylenol, por exemplo, usado em excesso pode levar a necrose do fígado”, alerta o especialista.

Portanto, o ideal é, mesmo para usar medicamentos livres de prescrição, consultar um médico. Contudo, caso ainda assim opte por usar algum remédio para amenizar sintomas, Dr. Melo aconselha uma medicação que já tenha costume de usar, como Dipirona ou Paracetamol. Mas, nesses casos, é imprescindível observar os sintomas e, não melhorando, procurar um médico.

“Qualquer analgésico simples poderia ser usado nos primeiros sintomas de uma determinada enfermidade. Mas é preciso observar a ocorrência dos sintomas e o período de realização do tratamento até a cura, pois em casos de uso muito prolongado sem sucesso, pode haver algo de errado . O uso de medicamentos gripais em quadros de infecção, como sinusite e pneumonia, vai retardar o diagnóstico, podendo piorar muito a infecção”, finaliza.

Fonte: UOL

Área Restrita



Esqueci a senha

Clipping

Pela primeira vez cai obesidade infantil nos EUA; informação e prevenção funcionam contra o mal do século 
Ansiedade atinge 1/3 dos endividados
Cobrança de taxa de parto é indevida, diz ANS
Percepção de brasileiro sobre mercado de trabalho piora
Médicos brasileiros criam técnica que devolve ereção a quem tirou a próstata
Doze cidades mineiras apresentam alto índice de infestação para a dengue em janeiro

Estudo mostra que musculação reduz risco de diabetes em mulheres 

MP entra com ação contra Banco do Brasil por assédio moral em cobrança de metas
Remédio para convulsões é usado para emagrecer e causa efeitos colaterais 
Reclamações contra planos de saúde crescem 31%
Multinacional farmacêutica não vai mais pagar médicos para promover medicamentos 
Cresce abuso na prescrição de drogas para deficit de atenção
 O lado B das estatinas
Em estudo, ratos sem cromossomo Y geram filhotes
EUA vão aumentar controle sobre venda de analgésicos
Governo amplia rol de cobertura dos planos de saúde
Receitas médicas controladas são vendidas em BH
Demissão na ANS é ponta do iceberg chamado conflito de interesses
Novos genéricos renderão R$ 1 bi em 2014
Governo dá aval a projeto que aumenta repasses à saúde
Estadão: Farmacêutico poderá prescrever remédios que não exigem receita
Farmacêutico poderá prescrever remédios vendidos sem receita
Novos casos de Aids caem 33% desde 2001, diz relatório da ONU 
Anvisa recolhe todos os lotes do Buprovil
Nível de metais em batom é maior do que se pensava
Projeto do Butantan quer estimular uso de peixe no lugar de rato de laboratório
Anvisa suspende comercialização de remédio para rinite alérgica
Audiência pública discute marcas comerciais de medicamentos
Anvisa suspende produtos irregulares
Novos medicamentos podem ter eficácia de 100% contra hepatites
Frutas protegem contra diabetes, mas sucos elevam riscos da doença
 Anvisa libera por 12 meses uso de extratos de café e alcaçuz no fumo
Anvisa publica novas regras para medicamentos em teste 
Farmacêuticas tentam conquistar mercado chinês a todo custo 
A agonia da pesquisa clínica no Brasil - artigo 
Consméticos usam apelo de genes e celulas-tronco para atrair consumidor
Senadores defendem derrubada de vetos ao Ato Médico 
Mutação genética rara inspira nova droga para baixar colesterol
Profissionais da Saúde temem barreira do Ato Médico ao SUS
Profissionais de saúde afirmam que Ato Médico pode burocratizar o SUS 
Representantes de 13 categorias garantem ainda outra mobilização para o dia 11 de julho
Novo radiofármaco será testado em humanos
Viagra perde patente e ganha concorrentes mais baratos
Anvisa suspende medicamento irregular
CNS Aprova Moção Contra Atual Presidente da CDH da Câmara Federal
Os 10 medicamentos mais vendidos do país
Definida nova data para controle eletrônico de antibióticos - 16/abril/2013
Instituições são convidadas a integrar Força de Trabalho - Uso Racional de Medicamentos
Venda de medicamentos cresce 16% em 2012
Medicamento custa 35% menos do que deseja a indústria
Atendimento de farmacêuticos em drogarias é muito valorizado por consumidores, aponta pesquisa
Ofensiva contra os direitos trabalhistas deve aumentar em 2013
Anvisa pode rever neste mês o uso de sibutramina no país
Brasil produz droga anticâncer pela primeira vez
Anvisa vai mudar registro de remédios
Comissão de Educação aprova projeto do Ato Médico
Farmacêuticos do Piauí debatem valorização - 2º Encontro de Sindicatos dos Farmacêuticos do Norte e Nordeste
Prorrogado prazo para escrituração dos Antimicrobianos no SNGPC
Mais Clipping


Pós-IPOG

 

Grupo Ideal
Rua dos Tamoios, 462 - 12º andar - Centro - Belo Horizonte-MG
Tel.: (31) 3212-1157 | Fax. (31) 3212-1936
E-mail: sinfarmig@sinfarmig.org.br