Pesquisa rápida:

20/03: MEDICAMENTOS LIVRES DE PRESCRIÇÃO PODEM MASCARAR E AGRAVAR DOENÇAS

“Ao persistirem os sintomas, um médico deverá ser consultado”. Já ouviu essa frase após o comercial de algum medicamento na TV? Ela alerta para um comportamento perigoso que é a automedicação com remédios livres de prescrição. Apostar em qualquer uma dessas drogas indicadas para diminuir dores, febres ou sintomas da gripe sem procurar um médico pode acabar mascarando uma doença e agravando o quadro do paciente.

“O principal risco está na pessoa fazer uso de medicamentos inadequados que, não correspondendo ao mal que deve ser combatido, podem mascarar um quadro clínico, agravando sua situação. Isso é muito comum em casos de apendicite, em que o indivíduo sente uma forte dor abdominal, podendo ser confundida com outros males. Nesse caso, o uso de um medicamento para dor amenizará os sintomas, podendo retardar o diagnóstico e evoluir para um quadro ainda mais delicado, como a apendicite supurada”, explica o endocrinologista do Hospital Belo Horizonte Dr. Celso Melo.

É preciso sempre lembrar que existem contraindicações muitas vezes não observadas antes de usar esses remédios. Além disso, alguns não podem ser usados em casos como a dengue. O uso indiscriminado também oferece riscos pois, apesar de não haver comprovação científica,  muitos pacientes relatam a diminuição do efeito do remédio com o uso excessivo. “Isso faz com que aumentem a dosagem sempre que forem tomar e esse é um comportamento muito arriscado. O Tylenol, por exemplo, usado em excesso pode levar a necrose do fígado”, alerta o especialista.

Portanto, o ideal é, mesmo para usar medicamentos livres de prescrição, consultar um médico. Contudo, caso ainda assim opte por usar algum remédio para amenizar sintomas, Dr. Melo aconselha uma medicação que já tenha costume de usar, como Dipirona ou Paracetamol. Mas, nesses casos, é imprescindível observar os sintomas e, não melhorando, procurar um médico.

“Qualquer analgésico simples poderia ser usado nos primeiros sintomas de uma determinada enfermidade. Mas é preciso observar a ocorrência dos sintomas e o período de realização do tratamento até a cura, pois em casos de uso muito prolongado sem sucesso, pode haver algo de errado . O uso de medicamentos gripais em quadros de infecção, como sinusite e pneumonia, vai retardar o diagnóstico, podendo piorar muito a infecção”, finaliza.

Fonte: UOL

Área Restrita



Esqueci a senha

Clipping

UFMG cria clínica para dar assistência jurídica a vítimas de trabalho escravo e tráfico humano 
Reprodução assistida com DNA de três pessoas é aprovada no Reino Unido
Farmacêuticos podem se inscrever em concurso da Prefeitura de Juatuba na modalidade cadastro reserva
Equipe de universidade do interior de São Paulo patenteia viagra caipira  
Farmácia: a profissão das oportunidades
"Branco sai. Preto fica" leva 11 prêmios do 47º Festival de Cinema de Brasília 
Relatório da ONU aponta aumento do número de indígenas na AL - Brasil tem 900 mil pessoas
Rio dobra número de transplantes de órgãos e de tecidos 
Estudo liga consumo de adoçantes ao risco de desenvolver diabetes
Mulheres negras têm salário menor e menos acesso ao mercado de trabalho 
Salário mínimo sobe 1.019% em 20 anos, mas inflação tira parte dos ganhos
Em vigor há um ano, lei dos 60 dias para tratamento de câncer tem falhas 
Autoridades e OIT pedem aprovação da PEC do trabalho escravo
Dos brasileiros que se automedicam, 32% elevam dose do remédio
Pela primeira vez cai obesidade infantil nos EUA; informação e prevenção funcionam contra o mal do século 
Ansiedade atinge 1/3 dos endividados
Cobrança de taxa de parto é indevida, diz ANS
Percepção de brasileiro sobre mercado de trabalho piora
Médicos brasileiros criam técnica que devolve ereção a quem tirou a próstata
Doze cidades mineiras apresentam alto índice de infestação para a dengue em janeiro

Estudo mostra que musculação reduz risco de diabetes em mulheres 

Mais Clipping

 


Pós-IPOG

 

Grupo Ideal
Rua dos Tamoios, 462 - 12º andar - Centro - Belo Horizonte-MG
Tel.: (31) 3212-1157 | Fax. (31) 3212-1936
E-mail: sinfarmig@sinfarmig.org.br