18/12: Sinfarmig defende diálogo e participação como estrategias possíveis na defesa dos direitos dos farmacêuticos

Sem Categoria

 

 

 

 

 

En la lucha de clases

todas las armas son buenas

piedras

noches

poemas

Paulo Leminski

 

 

Vivemos tempos muitos difíceis no Brasil. Após o escandaloso golpe político-jurídico e midiático, que retirou o mandato de uma presidenta legitimamente eleita, deu posse a um governo ilegítimo, impopular e antidemocrático, com o apoio de um parlamento corrompido, impondo uma agenda nefasta aos interesses da população brasileira.

As ações de desmonte do Sistema Único de Saúde (SUS), o congelamento criminoso dos investimentos federais por duas décadas e a imposição de planos privados populares limitados e ineficazes. Assim como a terceirização irresponsável e desmedida, a extinção da previdência geral em prol da previdência privada, a entrega das riquezas do nosso País, a venda do patrimônio público, a imposição do Estado mínimo, a eliminação de políticas sociais. Enfim, o País está sendo frontalmente vilipendiado, entregue ao capital financeiro nacional e estrangeiro. O povo brasileiro assiste impassível, de mãos atadas, sem ter como evitar este processo de esfacelamento da nação.

 A passividade da população brasileira deve-se, em parte, a enorme descrença e uma profunda decepção com a política. Conta certamente, também, a completa desinformação e desconstrução política imposta por grande parcela da mídia alinhada aos interesses de uma elite político-econômica que deseja a todo custo manter seus privilégios.  

É preciso reagir. Mais do que nunca temos que buscar todas as estratégias possíveis para discutir e conquistar mentes e corações em defesa da população.

Com a aprovação da verdadeira “Deforma Trabalhista” disseminou-se propositadamente, com má fé, a informação equivocada de que os Sindicatos não sobreviverão e terão que fechar suas portas! Esta desinformação só interessa àqueles que não querem que os direitos justos e legítimos dos trabalhadores sejam mantidos. Só atendem àqueles que desejam eliminar os sindicatos como um passo importante para todo este propósito maquiavélico.

Neste momento, é preciso que os colegas farmacêuticos e farmacêuticas se apropriem deste contexto e, de forma consciente busquem participar efetivamente do Sinfarmig. Queremos discutir as ações frente a realidade da profissão e do cenário do País. Queremos que todos participem das decisões das assembléias tornando, assim, as ações da entidade sindical mais respaldadas e legitimadas. É na crise que precisamos refletir sobre nosso papel como agente das mudanças coletivas. Como disse o poeta Paulo Leminski precisamos utilizar de todas as armas possíveis para fazer valer nossos direitos!

Boas festas a todos e que 2018 chegue com mais conquistas. Contem com o Sinfarmig para lutarmos por isto e superarmos todos os desafios.

Fonte:  Editorial - Jornal Princípio Ativo dez/2017

Publicado em 18/12/17